Sobre o App Polar Dispendium Gasto Energético

Polar Dispendium é um aplicativo desenvolvido por um grupo de estudantes e professores do Instituto Federal de Minas Gerais – campus avançado Itabirito.
Este aplicativo utiliza como referência o compêndio de atividades físicas publicado por Ainsworth et al (2000) e traduzido para a língua portuguesa por Farinatti (2003).
O usuário fornece a massa corporal ao se iniciar o aplicativo. O aplicativo utiliza a equação abaixo em que se multiplica o peso corporal pelo valor do MET da atividade realizada e pela duração da atividade:
Gasto energético (kcal) = MET . peso corporal (kg) . tempo realizado (h)

Todas as atividades do compêndio de Ainsworth et al (2000) estão disponíveis para que o usuário selecione aquelas que realizou. É possível escolher uma data e inserir todas as informações de atividades nas 24 horas do determinado dia.
O aplicativo será utilizado nas Operações Antárticas do Brasil e fornecerá informações importantes sobre o gasto calórico diário dos usuários e poderá ser uma ferramenta importante para controle do peso corporal dos
participantes das expedições.

Equipe:

Coordenadores:

Prof. Alexandre Sérvulo Ribeiro Hudson (Ciências do Esporte)
Prof. Andrei Roger Silva de Oliveira (Engenharia Elétrica)

Estudantes de Engenharia Elétrica:
Leonardo Santos do Prado – iniciação científica
Wanderson Carlos Sant’Ana – iniciação científica

Estudantes do ensino médio integrado – técnico em Automação:
Gabriel Carvalho Domingos da Conceição – iniciação científica júnior
Isabelly Moreira Machado de Souza – iniciação científica júnior
Letícia Pedroso Colombo – iniciação científica júnior
Lucas Mota Ferreira – iniciação científica júnior

Anúncios

Sobre o Programa Mediantar

A multidisciplinaridade é a principal marca do projeto MEDIANTAR, do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG, que investiga a adaptação do ser humano às condições extremas de sobrevivência experimentadas na
Antártica. Pesquisadores e militares que vão à Antártica se tornam foco da pesquisa: como se adequam às temperaturas muito baixas e à dificuldade de respirar, ao esforço físico constante e ao isolamento.

O projeto é coordenado pelas professoras Rosa Arantes e Michele Moraes e conta com a parceria do Laboratório de Fisiologia do Exercício da UFMG.